top of page
Buscar

Por que os escritórios de advocacia mais inovadores estão recorrendo ao HighQ?


O termo inovação, apesar de muito utilizado nesses últimos anos, encontra inúmeros obstáculos em sua aplicação. Inovar raramente é fácil, e poucas são as empresas que encontram os meios de estar um passo à frente, abraçando mudanças comportamentais e avanços tecnológicos.


Na Thomson Reuters, vemos frequentemente esses escritórios recorrerem ao HighQ para viabilizarem as suas inovações mais revolucionárias. Para entender como e o porquê, perguntamos a Ben Firth, Diretor de Vendas e Sucesso do Cliente da Thomson Reuters na Europa.


Ben, vamos começar: o que os escritórios de advocacia geralmente buscam que os leva ao HighQ?


Geralmente, eles já enfrentaram desafios tecnológicos legais. Talvez eles tenham construído os seus próprios ou tenham procurado algo para resolver um problema específico no passado. De qualquer forma, eles ainda não encontraram o que procuravam. O diferencial do HighQ é que ele tem flexibilidade e pode resolver um amplo leque de problemas sem a necessidade de que o usuário saiba codificações ou conceitos muito técnicos.


Um outro ponto é que os escritórios de advocacia mais inovadores observam a concorrência e como estão resolvendo esses mesmos problemas. Eles veem o HighQ em outras empresas e o consideram “o melhor da categoria” entre as plataformas de tecnologia jurídica. HighQ faz tudo – LPM, gerenciamento de transações, gerenciamento de portfólio, faturamento, etc. – e tem a flexibilidade de ir além do que você originalmente pensava que faria com ele.


Existe uma necessidade específica que surge com mais frequência do que outras?


Suponho que, no mais básico, a maioria diz que precisa de uma ferramenta de colaboração segura. Fundamentalmente, eles precisam pegar suas informações, colocá-las em um espaço seguro e permitir que os clientes interajam com elas em uma plataforma segura.


A questão é que, embora os clientes queiram uma plataforma de colaboração, eles também enfrentam grandes desafios de gerenciamento de portfólio, por exemplo. O que descobrimos é que, depois que os requisitos ou o foco original do escritório de advocacia são atendidos, eles começam a entender o HighQ em um nível mais profundo e seus casos de uso evoluem muito rapidamente. Sem limites!


Vamos falar sobre o próximo passo: para onde vão os escritórios de advocacia mais inovadores quando percebem o valor de fazerem as coisas de maneira diferente dentro do HighQ?


Uma vez estabelecidas dentro da empresa, as coisas podem avançar rapidamente. Os escritórios de advocacia, muitas vezes, começam a usar a plataforma como meio de vender a experiência do próprio cliente. Exemplo: “Escolha o nosso escritório e você se beneficiará de uma plataforma segura, em nuvem, 24 horas por dia, 7 dias por semana.” É o que seus clientes querem ouvir e é como esses escritórios agora fazem negócios e aproveitam isso com sucesso.


A tecnologia certa pode fornecer aos clientes o que eles precisam, quando precisam.


Leva muito tempo para as empresas irem além da implementação inicial?


Não. O diferencial do HighQ é que o tempo desde a assinatura até o início da operação é muito curto. Não são meses ou semanas para começar. Temos novos escritórios usando HighQ para fazer transações com seus clientes em questão de dias. Não precisamos ter um grande plano de projeto e uma equipe de implementação enorme. Você pode obter resultados com HighQ rapidamente.


Você precisa mostrar aos escritórios de advocacia algo novo para fazê-los pensar fora da caixa?


Os escritórios de advocacia mais inovadores estão realmente nos mostrando o que é possível. Isso não é apenas por causa do HighQ, a indústria mudou significativamente. Há três anos, sentíamos que estávamos educando o cliente com ideias. Hoje em dia, os próprios escritórios investem em expertise tecnológica jurídica, e são eles que amplificam as possibilidades da plataforma HighQ.


Já vi novos usos aparecerem nos canais sociais de um escritório. Eles estão divulgando suas próprias capacidades e, se você não conhecesse o HighQ pessoalmente, nunca saberia como eles conseguiram isso.


Vamos falar daquele momento quando o valor de HighQ é percebido. O que causa isso?


Existem dois elementos da plataforma que realmente parecem gerar ideias de oportunidades para as pessoas. O primeiro são os iSheets – bancos de dados estruturados que permitem coletar dados de dentro do escritório, mas também permitem que seus clientes adicionem os dados. E como são dados limpos e padronizados, podemos construir a partir deles: visualizações, fluxos de trabalho, automação de documentos, ações/alertas acionados.


A outra grande ideia é relacionada ao Workflow, que nos permite vincular os módulos dentro da plataforma. Isso pode começar com algo aparentemente básico como “Se este documento for assinado, esse advogado deverá ser notificado” mas, quando você vê e começa a pensar nesses termos, isso libera uma enorme quantidade de resultados ou eficiências possíveis.


A questão é que os escritórios de advocacia mais inovadores ficam sabendo dessas coisas e imediatamente veem onde elas poderiam ter sido usadas em um caso recente ou em uma proposta desafiadora. É intuitivo e não é mais difícil de usar do que uma plataforma de mídia social comum, por isso é fácil ver que as ideias começam a fluir a partir do uso da plataforma.


À medida que as empresas expandem o uso do HighQ, a sofisticação também aumenta? Ou podem fazer mais sem necessariamente adicionar complexidade?


A sofisticação aumenta, mas acontece naturalmente. Vemos escritórios de advocacia que nos procuram com muitas ideias, mas podemos realmente controlá-las e escolher um ou dois pontos de partida. Depois de direcioná-los para o sucesso, as discussões sobre a expansão acontecem naturalmente. Mas a essa altura, eles mesmos entendem a ferramenta de tal forma que começam a criar suas próprias soluções usando HighQ.


Até que ponto a vontade de liderar o setor por meio da inovação impulsiona a adoção da tecnologia? É uma iniciativa de cima para baixo ou são os usuários que impulsionam a mudança?


Não é necessariamente de cima para baixo. É mais como “meio para cima”.


Muitos dos escritórios de advocacia mais inovadores desempenham funções de gerente de inovação. Essas pessoas têm a tarefa de mudar, fazer diferente. Elas não estão apenas “aumentando”, mas também impulsionando a adoção “em torno” da empresa. Portanto, a inovação, para elas, tem menos a ver com convencer a liderança a mudar, mas sim com a implementação das suas ideias com sucesso.


A liderança também entende, é claro. O papel da equipe de TI mudou drasticamente nos últimos 10 a 15 anos. Clientes tem exigido conhecimento técnico e desejam uma experiência tecnológica que corresponda ao que eles têm disponível em outras esferas da vida.


Os departamentos de tecnologia e os gerentes de inovação ajudam a facilitar essa experiência, mas é importante lembrar que, com o HighQ, eles não precisam participar de todos os aspectos do projeto. Os próprios advogados podem promover mudanças na plataforma.


Fazer com que as pessoas ajam de maneira diferente é frequentemente apontado como uma das partes mais difíceis da inovação. Como as empresas de sucesso abordam a tarefa de integração?


O HighQ geralmente é criado para enfrentar um desafio, e esse desafio é construído em torno de uma equipe. Esse é o seu grupo principal de usuários. Assim que a equipe começar a resolver seu desafio, o crescimento será orgânico. Se a empresa acertar na primeira implementação, a história de sucesso começa a se espalhar por toda a empresa.


Suponha que você seja um escritório que deseja ser visto como inovador. Qual é o primeiro passo?


Em primeiro lugar, observe a sua situação atual. O que você já possui? O que você está tentando resolver? Ninguém quer comprar um software ou plataformas e não utilizá-los. Portanto, acho que as empresas precisam analisar o que já estão usando e compará-lo com seus desafios tecnológicos jurídicos. Pergunte se você já tem algo que resolva essa necessidade. Se não o fizer – ou se estiver lá, mas não funcionar – chegou a hora de mudar. E essa motivação é o que impulsionará a inovação que você procura.


Saiba mais sobre como o HighQ pode diferenciar seu escritório de advocacia em todas as fases da jornada do seu cliente.


Conteúdo adaptado do blogpost “Why the most innovative law firms so often turn to HighQ"


Texto retirado do site da Thomson Reuters

bottom of page