Buscar

Como os departamentos jurídicos estão respondendo aos desafios ESG


Critérios ambientais, sociais e de governança fazem parte da empresa? Saiba neste artigo sobre a importância de tratar ESG nos departamentos jurídicos.


ESG é a sigla para Environmental, Social and Governance, três grandes pilares que definem os chamados “investidores socialmente responsáveis”.


Os critérios ambientais, sociais e de governança são basicamente parâmetros que investidores socialmente conscientes usam para avaliar operações de uma empresa, visando potenciais investimentos futuros.


Embora o foco abordado pelo ESG não seja novo, a importância de tratá-lo como um componente-chave de seus processos de negócios e governança aumentou nos últimos anos.


De fato, iniciativas relacionadas a causas relacionadas a fatores sociais e de governança deixam de ser apenas argumentos de venda “bom ter” nos sites da empresa, para programas eficazes e robustos que sejam mensuráveis ​​e responsáveis ​​pelas partes interessadas.


Diante de sua atual importância para as empresas, os departamentos jurídicos precisam entender os desafios e as oportunidades que o ESG apresenta. São processos internos e culturais que precisam ser desmembrados e reinventados.


A mudança é impulsionada por investidores que exigem que seu dinheiro seja investido em empresas e fundos com mentalidade ESG


O primeiro desafio enfrentado pelos departamentos jurídicos em relação aos objetivos ambientais, sociais e de governança está na complexidade absoluta de compreender novas iniciativas regulatórias específicas que abrangem várias áreas de especialização, desde legislação ambiental até relatórios e finanças de empresas.


O trabalho nessa área geralmente requer uma coleta complexa de fatos por parte das empresas para compreender sua situação atual e a resposta certa para alcançar seus objetivos ambientais, sociais e de governança.


Na prática, profissionais de várias disciplinas em toda a organização precisam reunir as várias vertentes descritas pela ESG, sobrepondo pressões comerciais mais amplas, para a alcançar conformidade legal.


A organização como um todo precisa encontrar uma posição corporativa coerente, permitindo que a administração defina o tom certo desde o topo, apesar de um cenário em constante mudança.


O objetivo é buscar a melhor maneira de abordar as questões ASG, evitando a sobrecarga e buscar o apoio para tornar seus requisitos uma meta alcançável e de fato transformadora para a organização.


Divida o ESG em componentes e subcomponentes visando alcançar metas.


Envolva as pessoas certas para realizar uma avaliação de risco real de onde sua organização está hoje e chegue a um plano de ação alcançável que pode ser implementado ao longo do tempo.


Um elemento-chave deste plano é obter o apoio inicial do executivo e do conselho, aceitação e compromissos demonstráveis, como um patrocinador executivo / do conselho e a introdução geral de objetivos ESG neste grupo.


As cláusulas contratuais são fundamentais na resposta aos desafios ESG


Os departamentos jurídicos estão tendo que considerar os requisitos descritos no ESG de vários ângulos. As duas áreas principais são:

  1. Olhar para seus próprios negócios e avaliar e melhorar seu desempenho quando se trata de questões como emissões de carbono, diversidade e inclusão, bem como outras métricas de sustentabilidade.

  2. Procurar a melhor forma de integrar questões de meio ambiente, sociais e de governança nos serviços jurídicos, mostrando o apoio das empresas para resolver os problemas que enfrentamos na sociedade hoje.

Já foi o tempo em que questões sociais e de sustentabilidade estavam predominantemente dentro das atribuições dos advogados de direitos humanos e ambientais.


Agora já temos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos pensando mais a fundo sobre essas questões, já que o setor financeiro como um todo é atraído para a corrida de alcançar o alinhamento com o conceito de desenvolvimento sustentável, social e de governança.


O desenvolvimento e a inclusão de cláusulas contratuais padrão com foco no ESG em contratos padrão e manuais de contratos internos torna-se uma ferramenta prática útil para metas e requisitos ambientais, sociais e de governança.


Essas cláusulas visam proteger a organização contratante em relação a riscos específicos, bem como demonstrar seu foco na relevância do ASG e o desejo de conduzi-lo por meio da cadeia de abastecimento.


Em outras palavras, as cláusulas padrão são uma maneira útil de colocar novos relacionamentos em uma base segura e fornecer um grau de proteção para o futuro.


Abordagens baseadas em dados têm vários benefícios para alcançar os objetivos do ESG


Muitos departamentos jurídicos estão focados no valor da coleta, revisão e relatórios de métricas ESG.


Embora as métricas sejam essenciais para ajudar a construir a compreensão em torno do que a organização faz atualmente, elas também têm um papel fundamental na definição da direção e, em algumas situações, podem ajudar a apoiar a responsabilidade e visibilidade públicas.


Vários profissionais jurídicos ficam impressionados com o valor comercial que uma abordagem baseada em dados nesta área traz para suas organizações e identificam vantagens potenciais no uso desses dados para apoiar os esforços de racionalização comercial e maior economia de custos.


Preparado para o futuro por meio da cultura e das iniciativas conscientes


Outra observação que vale destacar nas iniciativas que buscam vencer os desafios está relacionada a como algumas organizações tentam se manter à frente da curva regulatória: alinhando-se com medidas ESG voluntárias que vão além da conformidade regulatória estrita.


Algumas empresas desenvolveram seus próprios padrões, enquanto outras procuram identificar medidas voluntárias relevantes desenvolvidas externamente.


Para organizações globais, há muito existe uma escola de pensamento de que faz sentido avaliar a conformidade com os requisitos de 'marca d'água alta' na jurisdição mais regulamentada em que a organização opera.


Parece agora haver a possibilidade de uma mudança geral mais ampla além da conformidade, tanto em estratégia quanto em cultura, não apenas de 'fazer negócios', mas de 'fazer negócios da maneira certa'.


É possível destacar uma série de exemplos que mostram organizações realizando iniciativas para demonstrar um forte compromisso com ESG, incluindo:

  • Objetivos - a introdução de objetivos para bônus de líderes seniores.

  • Nomeações - as nomeações de um chefe da ESG e um diretor de sustentabilidade.

  • Comitês - a introdução de um comitê ESG.

  • Revisão de política e estratégia por meio de políticas específicas - a introdução de uma política interna de viagens mais rígida para reduzir viagens de negócios desnecessárias e torná-las o mais ecologicamente corretas possível.

O compromisso e o foco do conselho e de seus executivos falam muito sobre onde o ESG está na agenda corporativa.


Texto retirado do site da Thomson Reuters